A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira, mas, também, para o pessoal da área de vendas. Nosso objetivo nesta seção é alertar o pessoal de vendas acerca dos impactos que suas decisões podem ter sobre as finanças da empresa.

1. O prazo médio de vencimento dos recebíveis

Para compreendermos como o prazo médio de recebimento dos recebíveis afeta o resultado financeiro da empresa temos que entender que:

Todo o aumento do saldo de qualquer conta do Passivo contribui para liberar recursos para o fluxo de caixa. Exemplo: se o saldo da conta “Empréstimos e Financiamentos” aumentar é porque os bancos emprestaram mais dinheiro para a empresa. Isto libera recursos para o fluxo de caixa;

Toda a redução no saldo de qualquer conta do Passivo retira recursos do fluxo de caixa. Exemplo: caso o saldo da conta “Fornecedores” diminua, isto significa que a empresa pagou parte de sua dívida com seus fornecedores. Isto retira recursos do fluxo de caixa; 

Todo o aumento no saldo de qualquer conta do Ativo, que não seja o Disponível, retira recursos do fluxo de caixa. Exemplo: caso o saldo da conta “Imobilizado” aumente, isto significa que a empresa comprou imobilizado. Isto retira recursos do fluxo de caixa;

Toda a redução no saldo de qualquer conta do Ativo, que não seja o Disponível, libera recursos para o fluxo de caixa. Exemplo: se o saldo da conta “Recebíveis” diminuir, é porque alguns clientes pagaram o que deviam. Isto libera recursos para o fluxo de caixa.

Algumas das afirmações acima podem parecer estranhas. Afinal, a compra a prazo de estoque provoca um aumento imediato do saldo desta conta sem que isto altere imediatamente o saldo do Disponível. Isto ocorre porque o aumento do saldo da conta Estoque (que retira recursos do fluxo de caixa) acontece simultaneamente com o aumento do saldo da conta Fornecedores (que libera recursos para o fluxo de caixa), o que faz com que os dois aumentos de saldos se anulem. Em finanças decompomos estes dois fatos permitindo que sejam analisados separadamente...


Este artigo não pode ser inteiramente reproduzido aqui por conter fórmulas e gráficos. 

Para ver o artigo completo, por favor baixe o arquivo em .pdf clicando no botão abaixo. 


* Carlos Alexandre Sá é um dos mais renomados consultores e palestrantes brasileiros, em temas das áreas contábil/financeira dirigidos a empresas privadas. Mestre em Finanças e Economia Empresarial pela Escola de Pós Graduação em Economia da FGV, onde atua como professor convidado dos cursos de MBA. Foi Diretor Financeiro e Superintendente de empresas nacionais e estrangeiras. Autor do livros: “Estabelecimento do Limite de Crédito;  uma nova abordagem para um velho problema”; “Contabilidade para não Contadores”;  “Fluxo de Caixa: a visão da tesouraria e da controladoria”; coautor do livro: “O Orçamento Estratégico: uma visão empresarial”.
É professor do IDEMP – Instituto de Desenvolvimento Empresarial.